domingo, 19 de setembro de 2010

Seis fashionistas ensinam como usar coral, a cor que promete invadir seu guarda-roupa neste verão 2011


Não há como negar, o tom avermelhado (ou alaranjado) do coral, uma gema orgânica de origem marinha, muito usada na joalheria, é uma das apostas para a estação que está começando.

Bom para quem adora vestir tonalidades mais fortes no verão, mas você sabe dosar a intensidade dessa cor e combiná-la adequadamente com outros acessórios? Para te ajudar, o Chic perguntou o que usar com o coral para seis fashionistas. Confira as respostas abaixo e prepare-se para aderir à moda sem medo!



. Gloria Kalil

“Os mesmos três neutros - onça, cobra e metalizados - que vão com o turquesa acompanham muitíssimo bem o coral”.


. Helena Linhares, empresária e dona da marca Pelu

“Eu adoro combinar o coral com verde militar ou jeans azul”.


. Valdemar Iodice, estilista

"Os tons de bege e branco complementam a cor coral, assim como o jeans. Mas também acredito que o coral seja um complemento ao preto".


. Juliana Jabour, estilista

"O coral fica bem com peças camelo e de chambray bem clarinhas".


. Rosa Duarte, estilista da marca Giulietta

“Fica lindo misturado com todos os tons de cru e azul mineral, é uma combinação bem fresca e deixa o visual bem moderninho. Coral com amarelo também é bem bonito de se ver junto”.


. Andrea Marques, estilista

“Gosto muito de coral com cáquis, com craft (aquela cor do papel, mais caramelada) ou mesmo com brancos".




Gostou? Veja onde encontrar peças coral

Tags: Andrea Marques, Fashion Rio, Giulietta, Helena Linhares, Pelu, Priscila Barcelos, Rosa Duarte, SPFW, Waldemar Iódice, coral, cores do verão 2011, gloria kalil, marc jacobs, verão 2011

Reportagem: Ligia Carvalhosa
Fonte: http://chic.ig.com.br/

Cultivando o Bom Humor... Aprenda a ser educado no trabalho


No lugar de: Usar:


Nem fudendo!   --->   Não tenho certeza se vai ser possível.

Tô cagando e andando!   --->   Não vejo razão para preocupações.

Mas que porra eu tenho a ver com esta merda?   --->   Inicialmente, eu não estava envolvido nesse projeto.

Caralho!   --->   Interessante, hein?

Foda-se, não vai dar nem a pau!   --->   Há razões de ordem técnica que impossibilitam a concretização da tarefa.

Puta merda, viado nenhum me fala nada!   --->   Precisamos melhorar a comunicação interna.

E na bundinha, não vai nada?   --->   Talvez eu possa trabalhar até mais tarde.

Aquele cara é um bunda-mole mesmo!   --->   Ele não está familiarizado com a situação.

Vai pra puta que o pariu, seu viado!   --->   Desculpe, senhor.

Bando de filho da puta!   --->   Eles não ficaram satisfeitos com o resultado do trabalho.

Foda-se, se vira!   --->   Infelizmente não posso ajudar.

Puta trabalhinho de corno!   --->   Adoro desafios.

Ah, deu pro chefe?   --->   Finalmente reconheceram sua competência.

Enfia essa merda no cu!   --->   Está muito bom, mas por favor, refaça esta parte do trabalho.

Ah, se eu pego o filho da puta que fez isso!   --->   Precisamos reforçar nosso programa de treinamento.

Esta merda tá indo pro buraco!   --->   Nossos índices de produtividade estão apresentando uma queda sensível.

Agora fudeu de vez!   --->   Esse projeto não vai gerar o retorno previsto.

Eu sabia que ia dar merda!   --->   Desculpe, eu teria avisado, se tivesse sido previamente consultado.

Cacete, vai sair cagada de novo!   --->   Apesar do imenso esforço, teremos outra não conformidade.

 
 
Fonte: Recebi este email de cunho "educativo", como vc podem perceber... e resolvi dividir o con hecimento! ;) rsrsrsss

Verdades e mentiras sobre sexo


A EJACULAÇÃO FEMININA - Já escutou falar em mulheres que ejaculam como homens, chegando a deixar o colchão encharcado? Acontece, só que não é ejaculação. A educadora sexual Laura Muller diferencia: “Mulheres não têm estruturas anatômicas que possam levar à ejaculação. O que ocorre é o seguinte: quando ela entra no período de excitação, o corpo produz um líquido lubrificante. Em algumas mulheres, este líquido é produzido em grande quantidade. Durante as contrações musculares provocadas pelo orgasmo, este lubrificante pode acabar sendo expelido, bem na hora do clímax”. Daí a confusão toda.



ORGASMOS MÚLTIPLOS - Como se não bastasse ter o orgasmo cobrado pelo parceiro, ainda aparece essa história de orgasmo múltiplo. Sim, ele existe, mas mesmo quem já o experimentou garante que foi uma vez ou outra na vida. “Como conseguir, se elas nem sabem o que é isso? Algumas passaram a vida reprimindo a sexualidade, e agora o orgasmo é encarado como algo obrigatório. Coitadas das mulheres!”, lamenta Dr. Amaury. A educadora sexual Laura Muller, autora do livro “500 perguntas sobre sexo (Ed. Objetiva), explica: “A maioria das mulheres só atinge o clímax uma vez por relação. Outras apresentam características diferentes, como vários orgasmos seguidos, porém menos intensos”. Portanto, relaxe e goze. O que vier além é lucro.


MASTURBAR-SE FAZ MAL À SAÚDE? - Este é um dos mitos mais maldosos. Em plena época de explosão hormonal, os adolescentes evitam masturbar-se com medo de que coisas terríveis aconteçam a eles. Nada disso! Masturbação não faz crescer pelo nas mãos, não provoca pedras nos mamilos, não enfraquece, dá espinhas ou adoece. Laura Muller explica: “Esse mito faz parte de uma educação sexual repressora que foi difundida no século XVIII. Em 1758, um médico europeu renomado, o Dr. Tissot, lançou obras pregando os malefícios da masturbação. O médico dizia que as pessoas adoeciam, ficavam malucas e poderiam chegar à morte. Hoje, os estudiosos são unânimes em afirmar que masturbação, além de não fazer mal à saúde, ajuda a perceber melhor o próprio corpo, e a descobrir o caminho para o orgasmo e o prazer”.


O HOMEM É O RESPONSÁVEL PELO PRAZER DA MULHER - Tudo bem que existem homens pouco talentosos por aí, mas Dr. Amaury é enfático. “Salvo em casos de ejaculação precoce, ele não tem nenhuma responsabilidade pelo prazer de ninguém. Cada um de nós nasce com sua própria libido. A sociedade trata de estimular ou reprimir. O sexo tem de ser egoísta. Cada um cuida de si e busca o seu prazer”, afirma. Da próxima vez, antes de reclamar, garanta a sua felicidade antes que ele caia no sono.




MENSTRUAÇÃO E SEXO - Até hoje mulheres abrem mão do prazer nesses dias. Os homens também não costumam gostar do excesso de sangue, que consideram nojento. Tudo bem que provoca uma carnificina na cama, mas tirando a trabalheira de limpar tudo, não há contra-indicação. Afinal, de onde surgiu essa lenda, Dr. Amaury? “Foi entre os judeus, que diziam que a mulher menstruada era impura, não podendo nem apertar a mão dos homens. Elas deveriam se purificar com banhos até que a menstruação cessasse. Sexo então, nem pensar! A explicação é simples. Dentre as culturas antigas, o judeu foi o único povo que não desapareceu. Isso porque a proibição do contato entre homem e mulher durante o período menstrual tornava estratégico o sexo durante a ovulação”, explica. Não entendeu? Basta fazer as contas! “Do primeiro ao último dia da menstruação são em média seis dias. Até que ela esteja “bem limpa”, mais uns três dias. Quando finalmente o homem não agüentasse mais, a mulher já estaria em seu período fértil. E aí, adivinha! Lá vinha um filho”, conta o sexólogo. “Ter ou não relações neste período vai depender do gosto, do prazer e do tesão de cada um”.




ORGASMO VAGINAL - Mesmo sem conseguir, muitas mulheres acreditam que precisam atingir o orgasmo através da penetração. Procuramos o terapeuta sexual Amaury Mendes Júnior, membro da comissão de estudos em terapia sexual do ISEXP, para esclarecer de onde surgiu a lenda. \"Freud dizia que a mulher madura deveria ter orgasmos vaginais - atingidos através da penetração –, e que as imaturas teriam o clitoriano. Isso pirou a cabeça das mulheres, terminando com muitos relacionamentos. Elas eram cobradas pelos maridos, que achavam que não lhes davam prazer suficiente. Hoje sabemos que o prazer é um só, não importa de onde venha. Pode ser dos seios, das pernas, do clitóris ou de qualquer outra parte do corpo. O importante é que venha. O clitóris é apenas o detonador de tudo. O mito do orgasmo vaginal ainda hoje traz clientes chorosas ao consultório\", explica. Maldito Freud!





O PONTO G - Este é um dos maiores mistérios do corpo humano e motivo de controvérsias entre médicos. A ginecologista Ângela Magalhães, autora do livro “Sexo sem medo” (Ed. Brasport) explica: “Anatomicamente, o ponto G não existe. Mas o que se pode concluir, por tudo o que já se falou e se escreveu, é que ele esteja localizado no terço inicial da vagina, na sua parede anterior. O massageamento desse local aumenta intensivamente o desejo e as sensações sexuais”. Real ou imaginário, as formas de se ter prazer são muitas. Portanto, deixe o ponto G em paz e procure o que lhe faz feliz.



Crédito: Getty Image
Fonte: http://www.bolsademulher.com.br/

Exercícios para melhorar ou prevenir a flacidez no pescoço

Alguns exercícios para melhorar ou prevenir a flacidez no pescoço:


1 - Contraía a musculatura que fica entre o queixo e a base do pescoço. Conte até oito e solte-a devagar. Repita por cinco vezes uma vez ao dia.


2 - Leve a língua ao céu da boca e conte até oito. Volte devagar e repita por cinco vezes uma vez ao dia.


3 – Sente na postura correta e faça uma rotação, com o pescoço devagar, para a direita e para a esquerda.

Este movimento de vai-e-vem conta um exercício. Faça um vai-e-vem suave por duas vezes.


4 – Na mesma postura, abaixe o queixo devagar até onde conseguir. Após alguns segundos, comece a levantar a cabeça e coloque-a para traz até onde conseguir. Repita durante dez vezes.


Fonte: mosaico/estética

sábado, 18 de setembro de 2010

5 Dicas para deixar a sua unha perfeita

Veja um passo a passo que vai te ajudar a ter unhas mais fortes e saudáveis!



A maioria das mulheres tem um ritual específico para o rosto, para as pernas, para o bumbum, mas quando se fala nas unhas, a única preocupação é com a estética. Pintá-las já basta! Porém, as coisas não são bem assim. Confira estas dicas e tenha unhas bonitas e saudáveis!




1 – Aposte nos cremes nutritivos. Aqueles à base de uréia, lanolina e ácido lático são as melhores opções.

2 – Produtos multifunção. Além de hidratar eles combatem a ação do tempo, se enriquecidos com ativos ácido hialurônico ou vitaminas C, E e B5.


3 – Prefira os esmaltes e os óleos secantes com ação fortalecedora. Contudo, se as unhas permanecerem fracas e quebradiças,o melhor é procurar um dermatologista.


4 – Esqueça esta ladainha que você deve ficar um período sem pintar a unha para que ela consiga respirar. Isso é conversa para boi dormir. Escolhendo os produtos certos você pode pintá-las semanalmente, como de costume. Lembre-se, seja no salão ou em casa, procure prestar bastante atenção a validade dos esmaltes e todos os produtos que vai usar nas unhas. Esmalte vencido acaba com a saúde das unhas.


5 – Já que quer uma unha bonita, não tem como deixar os cuidados com a sua mão de lado. Use diariamente um protetor solar, assim como faz com o seu rosto.


Receita infalível!

Espalhe óleo de amêndoas pelas mãos e pés, fazendo com que as unhas também recebam boa parte deste produto. Cubra-os com filme plástico e deixe agir por 20 minutos. Retire e lave com um sabonete de lanolina.



Fonte: revistasuadieta.uol.com.br

As imagens, textos e poemas deste post., estão hospedados na própria Internet. Caso alguém sinta- se lesado pela não citação da autoria, basta fazer contato que daremos os créditos ou tiramos a postagem do ar. Desde já, agradecemos à compreensão e colaboração de todos. Obrigada.

Foto: http://nbasico.blogspot.com/2009/08/unha-feita-em-casa.html


Esmaltes especiais para alérgicas

Dos nacionais aos importados, é possível driblar o problema com bons produtos. Reações alérgicas nas pálpebras e no pescoço podem ser mais graves e inconvenientes do que se imagina. Nesses locais, a intolerância à substâncias existentes nos esmaltes se manifestam com maior frequência.
Os componentes Formaldeído e Tolueno são os grandes “vilões” químicos escondidos nos vidrinhos. Segundo a dermatologista Juliana Lucas de Andrade, geralmente a alergia ocorre por sensibilização, ou seja, após muitos anos de uso do esmalte. "A cada contato a substância vai 'sensibilizando' o organismo, e ele produz anticorpos que podem gerar a alergia depois de algum tempo”, explica.
A dermatite de contato (como é chamada a alergia causada pelo esmalte) não tem cura, mas pode ser controlada com visitas frequentes ao dermatologista e pomadas e cremes prescritos. “Mas se a paciente voltar a usar esmaltes com essas substâncias, o quadro se repete” alerta a Dra. Juliana Lucas.
Mercado nacional oferece variedade em esmaltes para pessoas alérgicas, marcas com preços acessíveis e encontradas facilmente no mercado brasileiro oferecem produtos para as alérgicas, como Colorama, Artdeco, Revlon e Risqué. Para quem pode gastar um pouco mais com beleza, fórmulas importadas não faltam. As marcas francesas não podem mais [por lei] colocar em seus esmaltes as substâncias que dão alergia, e as americanas seguiram a mesma tendência. Com isso, um leque enorme se abriu e a variedade de cores atualmente é a mesma pra todo mundo. A Chanel e Essie, são as mais usadas, antes disso, mas precisamente nos saudosos anos 90 só existiam (ao menos por aqui) a Almay e Clinique.

Ao primeiro sinal de alergia nos locais citados, não demore para consultar um médico, pois as lesões crônicas podem evoluir para infecções graves. E uma vez diagnosticada a dermatite, é importante lembrar: o uso de esmaltes comuns deve ser suspenso para sempre.

Na hora de comprar esmaltes especiais, fique de olho no rótulo e fuja dos componentes alérgicos – o dermatologista poderá orientar individualmente e apontar quais são os agentes inadequados para cada pessoa.


Fonte: http:delas.ig.com.br/beleza / Jana Rosa

Foto: Getty Images

sexta-feira, 17 de setembro de 2010

Moda Animal!!!


É isso mesmo, a moda com inspiração nos bichinhos ainda está cheia de gás, é o que se chama de animal print ... As zebras e onças são os maiores hits... use e abuse sem medo de ser feliz! Animal print é sim essa coca-cola toda!


Essa é pra os meninos: Nunca tome iogurte no carro!

video

Essa é das boas!

video

Dizem que mulher dirige mal, mas dizem também que quando dirige bem, dirige muuuito bem! Acho que este vídeo ilustra isso!rsrsss Essa é das boas!

Perda gradativa do desejo sexual afeta a saúde feminina

Causas da síndrome do desejo sexual hipoativo podem ser físicas ou psicológicas

A desculpa da dor de cabeça, nem sempre, é uma escolha. Muitas mulheres sofrem de uma disfunção que inibe a vontade de fazer sexo, a síndrome do desejo sexual hipoativo (DSH). O problema, além de trazer instabilidade conjugal, pode atrapalhar a saúde. Cansaço, indisposição, briga com o parceiro, envolvimento com o trabalho, podem tirar o foco da vida sexual, porém, a ausência de vontade por muito tempo pode sinalizar o problema. "A mulher vive sob influência de ciclos e é muito suscetível às diferentes fases pelas quais passa: menstruação, gravidez, menopausa. Por isso, o desejo delas por sexo varia de acordo com esses ciclos. É natural, mas a mulher precisa ficar atenta, caso isso se repita por muito tempo", explica a psicóloga e sexóloga Maria Claudia Lordello, do projeto Afrodite, da Unifesp.

A disfunção é mais comum do que se imagina. A síndrome do desejo sexual hipoativo faz com que 35% das mulheres brasileiras vá para cama com o parceiro apenas para dormir, sem sentir a menor falta do relacionamento sexual. A síndrome é considerada séria pelos médicos, na medida em que afeta a saúde das mulheres, deixando-as mais fragilizadas. Mas a DSH não acontece de uma hora para outra. Normalmente, as mulheres que sofrem com a síndrome perdem gradativamente a vontade sexual. As causas dessa diminuição podem ser tanto físicas como psicológicas.

Causas físicas

A jornada extensa de afazeres pode impactar a saúde sexual. "As mulheres começaram a assumir multifunções. Precisam ser mães, esposas, cuidar da casa, da comida e trabalhar fora. Isso tudo eleva os níveis de estresse, aumentando os níveis de adrenalina e de cortisol no corpo, hormônios que provocam a diminuição da libido", explica a psicóloga Arlete Gavranic, terapeuta sexual do Instituto Brasileiro Interdisciplinar de Sexologia e Medicina Psicossomática (Isexp).

Além do estresse, a depressão também é uma das razões que leva as mulheres a perderem a disposição, inclusive para o sexo. O desgaste físico e psicológico proporcionados pela depressão influencia negativamente o comportamento da mulher, mas também os remédios antidepressivos, assim como alguns tipos de anticoncepcionais, também levam a diminuição da vontade sexual. Nesses casos, a melhor solução é o tratamento com remédios que não causem esse efeito.

Alterações hormonais, provocadas por algumas doenças ou pela menopausa podem ser a causa da DSH. "Quando ocorre diminuição dos níveis de testosterona, hormônio responsável pelo desejo sexual, a vontade por sexo fica reduzida. O ideal é que seja feita a reposição, através da indicação médica, por meio de medicamentos para que não afetem a vida sexual da mulher", explica Maria Claudia.




Causas psicológicas
De acordo com a sexóloga Maria Claudia, as causas psicológicas são as grandes responsáveis pela síndrome DSH, uma vez que as mulheres são muito sensíveis e, em geral, não conseguem separar problemas mal resolvidos do prazer sexual. "Problemas como a dificuldade de relacionamento com o parceiro, falta de confiança, mágoa ou frustrações acumuladas, baixa autoestima, desvalorização, entre outros fatores derivados dos relacionamentos pessoais fazem com que as mulheres passem a considerar o sexo como algo inviável em sua vida", explica a especialista da Unifesp.

Geralmente, essas frustrações acontecem com mulheres mais velhas, porém, a síndrome do desejo sexual hipoativo afeta também muitas mulheres jovens. Quando isso ocorre, é normalmente decorrência de uma educação repressiva, que trata o assunto sexo como tabu ou de questões religiosas, que reprimem o prazer sexual. "Isso tende a deixar o entusiasmo e o nível de energia da mulher jovem reduzidos, na medida em que ela não entende as transformações internas pelas quais seu corpo passa", esclarece Maria Claudia.

No caso de problemas psicológicos, o tratamento mais aconselhado é a terapia sexual, que vai trabalhar os aspectos ligados à educação sexual, a desmistificação das práticas sexuais, o enfoque corporal e a conscientização dos benefícios e problemas. "Em geral, esses tratamentos são lentos, demorando de seis meses a um ano, mas são eficientes, uma vez que a mudança ocorre de dentro para fora", diz a especialista da Unifesp.

O maior desafio da medicina nessa área é a invenção de medicamentos que estimulem o desejo sexual feminino. Diferentemente dos homens, nas mulheres a vascularização da região vaginal não é o motivo da disfunção, pelo fato da diminuição da libido estar associada às emoções. Por isso, a psicoterapia com um especialista em sexualidade ainda é a forma mais garantida de tratamento.

Falta de vontade ou DSH?

O fato de a mulher não ter vontade de fazer sexo todo dia não que dizer que ela está sofrendo da síndrome do desejo hipoativo. Para chegar a esse estágio, a mulher tem que estar muito tempo imersa no processo de recusa sexual, meses e até anos. As mulheres que sofrem com isso, costumam demorar para perceber, já que a diminuição do desejo ocorre lentamente. A terapeuta sexual Arlete Gavranic recomenda que as mulheres que começam a notar falta de desejo sexual, façam uma autoavaliação, que contenham as seguintes perguntas:

- Com que frequencia eu me recuso a ter relações sexuais?

- Sinto preguiça na hora que estou com meu parceiro?

- Costumo investir ou ter vontade de investir em produtos que aumentam a energia sexual, como lingeries, objetos eróticos ou livros e revistas que tratem do assunto?

- Qual a qualidade do meu relacionamento a dois?

Não deixe que problemas emocionais atrapalhem sua vida sexualComo a DSH está ligada basicamente às emoções é possível tomar medidas que contribuam para a constante estimulação sexual. "É importante se permitir conhecer o corpo, aprender a pensar que o interesse por sexo não é vergonhoso, e muito menos a prática dele, viver bem com o próprio corpo e aceitar as mudanças que acontecem naturalmente com o envelhecimento, descobrir que é possível ser sensual em qualquer fase da vida e, principalmente, limpar a "lixeira emocional" para que as mágoas e tristezas não fiquem acumuladas e causem mal para a saúde", explica a terapeuta sexual Arlete Gavranic.

Fonte: http://www.minhavida.com.br/

Escolha tecidos inteligentes e aumente seu rendimento nos esportes

Saiba o que há de novo no mercado em relação à tecnologia dos tecidos e utilize os benefícios para entrar em forma para o verão





A busca por um estilo de vida mais saudável já faz parte da rotina de muita gente (não à toa, mesmo no inverno, as academias e os parques permanecem lotados de quem não abre mão da prática diária de exercícios). Se, há algum tempo, a idéia de enfrentar o frio parecia terrível, hoje ela não assusta mais. E a indústria do vestuário responde por parte da transformação nos hábitos.

Na corrida, os atletas dispõem de peças que mantêm a compressão ideal das pernas, evitando a fadiga muscular. A natação conta com tecidos de alta resistência e durabilidade em reação a produtos químicos, enquanto o ciclismo sai ganhando com trajes que permitem mais liberdade de movimentos.

Em parceria com a Speedo e a Down Brasil, a tecelagem Santaconstancia criou o Acquos, tecido construído com a fibra Dow XLA ou poliolefina modificada destinado à prática de esportes aquáticos. O material não reage física e quimicamente com o cloro, bronzeadores, protetores solares e outros produtos químicos, suportando o ritmo contínuo dos treinos e inúmeras lavagens sem que a danificar a peça. Além disso, ele é mais leve que os tecidos tradicionais e tem rápida secagem, o que favorece o conforto térmico do atleta.

A elasticidade também se destaca, proporcionando o chamado efeito WetFit, ou seja, o ajuste da peça ao corpo, moldando-o sem comprimir excessivamente, principalmente quando molhado.

Já a Speedo desenvolveu uma linha de produtos chamada XDSKIN, produzida em modelagem anatômica, costuras flatseam (que minimizam a ocorrência de rasgos) e voltada aos praticantes de triatlhon. Há também novos tecidos cujos moldes são cortados a laser e as partes fusionadas em equipamentos especiais que realizam a selagem através da aplicação simultânea de pressão e calor. O efeito de compressão, associado ao processo de selagem , é uma combinação perfeita para aqueles que buscam desempenho e conforto. O tecido é ideal para esportes de alta performance, sendo muito utilizado na confecção de maiôs, macaquinhos, sungas, bermudas, leggings e tops.



Como escolher peças inteligentes- Procure por peças que facilitam a evaporação do suor
- Já existem roupas que protegem a pele de raios solares
- Pergunte se o tecido é antibacteriano e antifúngico, pois estes microorganismo diminuem a proliferação de microorganismos que gostam de ambientes quentes e úmidos, causando mau cheiro após a prática do exercício
- Usar uma meia simples de algodão é considerado um dos erros mais comuns entre os esportistas, já que o tecido retém a umidade e aumenta a probabilidade de infecções. É recomendado o uso de meias feitas de combinações de materiais que são geralmente mais finos que algodão e podem ser mais confortáveis para quem tem pés mais sensíveis. Experimente as de compressão (úteis para problemas de inchaço), de amortecimento (com gel na sola) e meias médicas especiais (que liberam desinfetantes anti-fungos e anti-bactérias).

Teste da Camiseta Inteligente

O CEMAFE (Centro de Medicina da Atividade Física do Esporte), em parceria com tecelagem Santaconstancia, realizou recentemente o iShirt Test, também conhecido como Teste da Camiseta Inteligente. O objetivo do trabalho foi avaliar o tecido mais adequado para a prática de atividades de alta performance.

O teste evidenciou a diferença de temperatura do corpo, durante e após a corrida, resultado os atributos do tecido na troca térmica como: efeito colante, absorção do suor e a velocidade de secagem das camisetas.

O algodão, por exemplo, apesar do toque agradável, tem fibras que encharcaram facilmente e demoraram a secar, prejudicando o desempenho do atleta, por causa de possíveis calafrios. Assim, o corpo precisa gerar mais energia para aquecer o organismo e manter o equilíbrio térmico (por volta dos 32o C). Já o polièster apresentou baixa absorção de umidade, deixando a camiseta e o microclima quentes e desconfortáveis, o que também altera o comportamento fisiológico do corpo, diminuindo a performance.

Fonte: http://www.minhavida.com.br/

Alimentos anti-estresse combatem a depressão e a ansiedade

Conheça algumas opções capazes de melhorar seu ânimo e vitalidade





Mulheres que são mães, donas de casa e profissionais, tudo ao mesmo tempo. Homens bem sucedidos e que praticam esportes como atletas. Crianças que além das provas, ainda possuem muitas atividades após as aulas. Adolescentes em fase de vestibular. Com essa vida corrida é inevitável sentir os efeitos da pressão. No entanto, existem maneiras de amenizar estes sintomas. Que tal aliviar o stress através da alimentação? Existem alguns alimentos que podem ajudá-lo!

Alface: substâncias encontradas principalmente nos talos das folhas como a lactucina e lactupicrina, atuam como calmantes naturais.

Espinafre e brócolis: previnem a depressão. Contêm potássio e ácido fólico, importantes para o bom funcionamento das células, assim como o magnésio, o fosfato e às vitaminas A e C e ao Complexo B, que garantem o bom funcionamento do sistema nervoso.

Peixes e frutos do mar: diminuem o cansaço e a ansiedade, pois contêm zinco e selênio, que agem diretamente no cérebro. Cereais integrais e chocolate (com moderação) também são ótimas fontes de zinco. O selênio também pode ser encontrado no atum enlatado e na carne de peru.

Laranja: promove o melhor funcionamento do sistema nervoso. É um ótimo relaxante muscular, ajuda a combater o estresse e prevenir a fadiga. A fruta é rica em vitamina C, cálcio e vitaminas do Complexo B. A ingestão de vitamina C inibe a liberação de cortisol, principal hormônio relacionado ao estresse no corpo.

Castanha-do-pará: melhora sintomas de depressão, auxiliando na redução do estresse. Também é rica em selênio, um poderoso agente antioxidante. Uma unidade ao dia já fornece a quantia diária recomendada de 350mg.

Alimentos ricos em vitaminas do complexo B: Quando o estresse está presente, o corpo utiliza a glicose desordenadamente, consumindo então as proteínas do músculo como fonte de energia. O ideal então é se alimentar de alimentos ricos em carboidratos complexos e uma dose extra de proteína magra como: leite em pó, queijo minas, amêndoas e carne que contém vitamina B12; ovo, leite, banana, aveia, batata, ricos em vitamina B6.

Maracujá: Ao contrário do que diz a crença popular, a fruta não é calmante, mas sim suas folhas. As folhas contêm alcalóides e flavonóides, substâncias depressoras do sistema nervoso central (SNC), o conjunto do cérebro com a medula espinal, responsável pela sensibilidade e pela consciência. Por isso, elas atuam como analgésicos e relaxantes musculares.

Fonte: http://www.minhavida.com.br